Como fazer combinados - Ciclos - Espaço Terapêutico
Como fazer combinados

 

Este texto é utilizado nas devolutivas aos pais, em momentos de orientação. Educar significa levar o outro a refletir. A construção da relação de diálogo exige uma constante observação por parte dos educadores - seja na escola, seja em casa - e desta observação surge o encontro... do encontro, o diálogo que convida a criança ou adolescente a analisar a situação, contextualizá-la, problematizá-la e então refletir sobre o que aconteceu e como pode acontecer. Desta arte podemos construir todo tipo de saúde relacional, que cadencia uma série de conquistas para toda a vida adulta. Aproveitem o convite de Natália e cultivem esta arte!

Boa Leitura!
Daniela Favaro

Como fazer combinados

Autora: Natália Rodrigues Delmonde

Muitas vezes as situações dentro de casa saem de nosso controle e não sabemos o que fazer com nossos filhos. É muito comum esta queixa no consultório, “mas eu disse para ele não fazer”, “nós conversamos sobre isso”.

O que pode acontecer é que muitas vezes, apenas falamos para os nossos filhos o que devem fazer e não refletimos com eles sobre o acontecido ou sobre uma situação que vai acontecer. Impomos uma “regra” e não perguntamos o que acham e por que deveriam agir de determinada maneira, para isso estipulei nestes anos de atendimentos, passos para fazermos combinados com as crianças e adolescentes.

Algumas dicas:

1°- DETERMINAR A SITUAÇÃO PROBLEMA.

Fato que desencadeou o problema/ ou possível situação.

Não são os culpados, mas sim qual foi a “minha resposta” (responsabilidade) diante da situação.

2°- POR QUE A SITUAÇÃO ESTÁ ERRADA.

Levantar a opinião da criança sobre o fato, e só depois fazer nossa avaliação do ocorrido.

3°- O QUE PODERIA TER FEITO PARA SER DIFERENTE.

Pense com a criança como ela poderia ter agido, pensando no que é aceitável socialmente (aqui é que damos repertório para a criança e validamos os valores da nossa família).

Não desconsidere os sentimentos negativos, a criança pode ficar brava, com raiva... mas a maneira como expõe e reage a estes sentimentos é que estão errados.

4°- COMBINAR QUE NÃO SE DEVE AGIR DA MANEIRA EM QUESTÃO E ESTABELECER O QUE É ACEITÁVEL.

Propor à criança que tente agir de outra maneira, usando as reflexões do tópico acima.

5°- ESTABELECER AS CONSEQUÊNCIAS.

A consequência pelos atos é a melhor maneira de ensinar a criança a respeitar os limites e as regras.

As consequências variam de acordo com a idade e com a dimensão dos fatos, mas podemos pensar que vão de pedidos de desculpas até a retirada de objetos e atividades.

Também é importante, caso haja danos a terceiros (amigos, irmãos ou os próprios pais) estabelecer a reparação, como fazer a pessoa se sentir menos prejudicada pelas atitudes tomada pela criança, isso proporciona a empatia.

Natália Rodrigues Delmonde
Psicóloga Clínica de crianças e adolescentes
Orientação de pais
Orientadora Profissional

Contato

Rua Lourenço Dias, 735, Centro, Araras/SP - CEP: 13600-180

(19) 3542-0444 / (19) 3542-0340 / (19) 99240-9377

ciclos_araras@hotmail.com

Ciclos no Facebook